ovulo-espermatozoide-fecundacao-1217-1400x800.jpg

AZOOSPERMIA

A azoospermia é caracterizada pela ausência total de espermatozoides no sêmen. Um diagnóstico preciso e uma avaliação minuciosa e criteriosa do paciente para estabelecer a origem da doença são necessários para conduzir as opções de tratamento e determinar o melhor custo-benefício, riscos e prognóstico associados. Para isso, é fundamental que o indivíduo conte com ajuda profissional qualificado na área de infertilidade masculina e realize seus exames em um laboratório especializado em Andrologia.

 

QUAIS SÃO OS TIPOS DE AZOOSPERMIA?

Existem dois tipos de azoospermia: a obstrutiva (excretora) e a não-obstrutiva (secretora). Confira a seguir as características de cada uma:

 

Azoospermia obstrutiva (excretora): é causada por obstruções em algum local do trato reprodutor masculino que impede que os espermatozoides sejam expelidos para o meio externo. Apesar de não existirem espermatozoides no sêmen, o indivíduo com azoospermia obstrutiva produz espermatozoides normalmente.

 

Azoospermia não-obstrutiva (secretora): consiste na deficiência na produção de espermatozoides pelos testículos. O indivíduo não fabrica espermatozoides ou em alguns casos pode até produzir em alguns pontos do testículo, mas são tão poucos que não chegam a ser ejaculados. Costuma ser mais grave e pode não responder bem aos tratamentos.

 

QUAIS SÃO AS CAUSAS DA AZOOSPERMIA?

Obstrutiva (secretora):  essa condição pode ser originada de forma intencional (vasectomia), ou de forma não intencional por anormalidades no epidídimo e seus canais, traumas pós-cirúrgicos ou obstruções congênitas: 

  • Agenesia dos ductos deferentes e/ou vesículas seminais;

  • Obstrução dos ductos ejaculatórios;

  • Ejaculação retrógrada;

  • Infecções urogenitais graves, que podem obstruir os canais condutores dos espermatozoides;

  • Vasectomia;

  • Herniorrafia inguinal e/ou hidrocelectomia.

 

Não-obstrutiva (secretora):

  • Alterações hormonais;

  • Criptorquidia, quando um ou ambos os testículos não descem para o escroto;

  • Radioterapia e quimioterapia;

  • Alterações genéticas (Síndrome de Klinefelter, microdeleção do cromossomo Y);

  • Exposição a substâncias gonadotóxicas;

  • Uso de anabolizantes.

 

QUAIS SÃO OS SINTOMAS DE AZOOSPERMIA?

Diferentemente de outras disfunções que podem acometer o homem, a azoospermia não apresenta sintomas específicos que sirva de alerta.

No geral, o principal indício de que o paciente pode ter a condição é a infertilidade conjugal.

 

COMO É REALIZADO O DIAGNÓSTICO?

O exame físico é sempre o primeiro passo para avaliação do indivíduo. No exame físico, o médico avaliará se o tamanho, consistência e textura dos testículos estão normais. Além disso, também examinará os órgãos acessórios, como epidídimos, próstata e vesículas seminais.

Exames de sangue (as vezes pode incluir testes genéticos), de imagem e pelo menos três espermogramas também serão solicitados para que a investigação seja completa.

 

QUAIS SÃO OS TRATAMENTOS DA AZOOSPERMIA?

O tratamento escolhido pelo andrologista dependerá de cada caso, respeitando o histórico médico e a saúde geral do indivíduo. Confira mais detalhes a seguir:

 

Tratamento da azoospermia obstrutiva (excretora)

Aqui, o tratamento poderá ser realizado de duas formas. Em alguns casos, o médico pode optar por reconstruir o caminho de passagem dos espermatozoides (microcirurgia de reversão de vasectomia ou desobstruções das vias seminais) ou pode optar por capturar espermatozoides diretamente dos epidídimos ou testículos (MESA ou micro-TESE) e utilizá-los para fertilização in vitro com auxílio das técnicas da Reprodução Assistida.

 

Tratamento da azoospermia não-obstrutiva (secretora)

Como neste tipo de azoospermia há pouca ou nenhuma produção de espermatozoides, as vezes é necessário fazer uma indução hormonal para estimular os testículos a produzirem mais espermatozoides. Após essa etapa, os espermatozoides podem ser capturados através de uma microcirurgia (cirurgia realizada com auxílio de microscópio cirúrgico) chamada micro-TESE (do inglês, Microsurgical Testicular Sperm Extraction). Nessa cirurgia, realiza-se uma microdissecção testicular, ou seja, diversos pontos onde os espermatozoides são produzidos nos testículos são explorados a fim de encontrar um que esteja em boas condições.

A cirurgia é realizada com apoio de equipe especializada do laboratório de Andrologia, que é responsável por verificar se há presença ou não de espermatozoides nos fragmentos coletados pelo médico. Caso espermatozoides sejam encontrados, o material pode ser utilizado no mesmo dia para algum procedimento ou pode ser criopreservado para uso futuro.

 

A azoospermia é um diagnóstico que pode gerar diversas dúvidas ao paciente, entretanto, com o direcionamento correto é possível obter um tratamento eficiente e de qualidade. Caso queira esclarecer mais informações sobre o assunto, entre em contato e agende uma consulta conosco.